Em Andamento

  • 2017- atual

Não, eu sou do norte! Um estudo sobre a juventude universitária amazônida, suas origens, valores, redes de sociabilidades e projetos de futuro

 

Resumo: A região norte é a mais extensa das regiões do país e é composta pelos estados do Acre (AC), Amapá (AM), Amazonas (AM), Pará (PA), Rondônia (RO), Roraima (RR) e Tocantins (TO). Formada por sete dos nove estados da Amazônia Legal, os/as que nascem na região podem ser chamados de nortistas ou de amazônidas. A Amazônia é reconhecidamente uma região complexa e marcada pela diversidade. A história da ocupação humana de suas terras, a extensão territorial, a localização geográfica, os dispares interesses econômicos sobre a região, a ideia de que a Amazônia é o pulmão do mundo são, possivelmente, elementos que potencializam o desconhecimento sobre a vida dos habitantes da região. É nesse contexto que os jovens objetos desse estudo se inserem. Pouco ou nada podemos afirmar sobre os jovens da região. No caso desta investigação, tomamos o conceito juventude amazônida, como forma de reconhecer um fenômeno social com suas singularidades e determinações históricas, sociais e culturais, que parte do conceito de geração desenvolvido pela escola alemã manheimiana e toma a juventude como um grupo geracional que historicamente está em permanente processo de avaliação e atribuição de sentidos, promovendo a ressignificação ou a construção de novos significados. Este projeto tem a pretensão de dar visibilidade aos posicionamentos, sentidos e significados que circulam ou são assumidos pelos jovens da região. A investigação delineada neste texto se propõe a realizar um estudo sobre os jovens amazônidas, estudantes de 14 (catorze) universidades públicas, sendo uma pública federal e uma pública estadual ou municipal, em cada um dos sete estados que compõem a região norte, acerca de seus valores, redes de sociabilidade e projetos de futuro. Parte-se do pressuposto de que é preciso identificar vestígios e rupturas entre gerações de jovens e, ao mesmo tempo, desconstruir modelos midiáticos sobre os moradores da região, compreendendo esse grupo geracional em suas singularidades e especificidades, desnaturalizando definições que pré-concebam seus interesses e objetivos. Assim como no restante do país, a ampliação dos anos de estudo é também uma realidade na região. Mesmo assim entende-se que o acesso à universidade ainda se constitui num diferencial social e qualitativo para aqueles que a frequentam. Comparados com outras regiões o acesso da parcela da população da região norte, na faixa etária esperada para cursar o Ensino Superior, entre 18 a 24 anos, é o menor de todo o país. Ultrapassa-se assim a dimensão da vida material e uma visão determinista das condições da existência para dar visibilidade aos jovens da região norte, suas opiniões e posicionamentos, valores e projetos de futuro.

Palavras-chave: juventude universitária amazônida; juventude e sociabilidades na região norte; jovens e trajetória familiar; juventude e projetos de futuro.

Financiamento: CNPq – Chamada Universal No 01/2016

 

 

Equipe de pesquisadores (as): Lucélia de Moraes Braga Bassalo – Coordenador(a)

Leopoldo Nogueira Santana Junior

Raimundo Afonso Cardoso Delgado

Hamanda Maiara Nascimento Pontes

Anderson Maia Oliveira Maia

Thais da Silva Mendonça

Ana Daniele Mendes Carrera

Alessandra de Almeida Souza

Mayanne Adriane Cardoso de Souza

 

ACESSE O QUESTIONÁRIO ONLINE DA PESQUISA